Ebserh contratará mais de 6 mil profissionais

Suspeita de espionagem coloca Marinha Brasileira em alerta.

Navio russo suspeito de espionagem.


Suspeito de espionagem na Europa e nos Estados Unidos, um navio russo de pesquisa e inteligência foi monitorado pela Marinha brasileira durante uma semana. No último dia 10, o sinal de alerta foi ligado após o Centro Integrado de Segurança Marítima do Rio de Janeiro detectar o Yantar, dentro da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil. 

Em seguida foi feito um primeiro contato e a embarcação sumiu do monitoramento, levando em consideração de que o equipamento AIS , que permite a sua localização, tinha sido desligado. Imediatamente uma operação de patrulha do navio foi desencadeada.

Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e um helicóptero da Marinha localizaram o navio na tarde de domingo, 16, a 50 milhas (80 km) das praias do Rio. A tripulação russa não atendeu às chamadas na primeira abordagem, e após, quando questionado sobre o trabalho que realizava, deu resposta evasiva.

No segundo contato a embarcação já se localizava próximo ao litoral do Rio de Janeiro, atracando na noite do dia 18 no porto do Rio, onde deve permanecer até o fim de semana.

Ao se desligar do sistema de identificação pode significar tentativa de espionagem ou procedimentos fora da normalidade da embarcação, informou um militar, e destacou que a navegação pela costa brasileira do Yantar não era ilegal, mas seu "desaparecimento" por seis dias foi considerado estranho.

Após ficar seis dias com seu aparelho identificador desligado o navio que vinha do Uruguai "reapareceu" próximo dos cabos submarinos de comunicação que ligam o Brasil a outros países, esse fato intrigou as autoridades náuticas.

Até quinta-feira, 20, a embaixada Russa não tinha se manifestado sobre a presença do Yantar em águas brasileiras.

A marinha brasileira informou que não levanta suspeitas e que na condição de responsável pelo controle do tráfego marítimo, adota procedimentos previstos em normas internacionais de navegação, a serem cumpridas pelas autoridades marítimas

Comentários